Half of a yellow sun - Chimamanda Ngozi Adichie



Este livro foi-me emprestado pelo Russell, que já me havia falado sobre a história. Fiquei imediatamente interessada, porque este é o protótipo de livro que eu gosto: um romance enquadrado num período histórico-político real e relevante. Porque, assim, aprende-se enquanto se lê.
Falemos então do livro. O título, Half of a yellow sun, refere-se à bandeira da República do Biafra, na qual se podia ver essa metade de um sol amarelo. A história do livro, essa, centra-se no período entre 1967 e 1970, aquando dos massacres na Nigéria, com a consequente declaração de independência por parte da região sul da Nigéria, que dá origem à República do Biafra. Como resposta, a Nigéria inicia uma missão militar contra os rebeldes, com o apoio de (quase) todas a grandes nações mundiais, como é o caso do Reino Unido, Rússia e com o apoio tácito dos EUA. O Biafra irá resistir durante cerca de 2 anos, durante os quais a Nigéria boicota o abastecimento de alimentos à região do Biafra, fazendo com que muitas das mortes ocorridas durante esse período se tenham devido à fome. E mesmo nesta zonas, os raids aéreos continuaram.
Falando mais concretamente no livro, este cruza a história de 3 personagens: Ugwu, um rapaz de 13 anos que é empregado em casa de um professor universitário em Nsukka, de seu nome Odenigbo. Ollana é oriunda de uma família abastada, e tudo abandona para se juntar a Odenigbo, um homem de fortes convicções. Richard é um inglês tímido que se apaixona por Kainene, irmã gémea de Ollana, e que por ela faz tudo por se tornar um nativo. A história segue estas 3 personagens, de uma forma não linear, em termos temporais.
Sobre a história, mais não vou dizer. Aconselho a leitura a todos, se bem que não estou certa de haver uma tradução em português disponível. Contudo, fixem este nome, porque vale realmente a pena.

1 comentário:

Me Myself and I disse...

Oiiiii!

Que fixe ter-te encontrado em Odeceixe! Foi pena não ter dado para nos encontrarmos mais tarde, mas mudanças de planos acontecem smepre que o grupo é grande...... Enfim! Acho sempre interessante encontrar uma cara conhecida e simpática onde menso se espera!
Bom regresso à realidade pós-férias!! :)

Beijinhos, Sara.