Em Roma



Na expectativa de me entreter enquanto esperava por uns e outros que chegavam de comboio, fui ver este "Em Roma", definido como comédia romântica (está bom de ver).
A história não prometia nada de extraordinário. Uma jovem curadora de arte, trabalhadora e bem sucedida, com azar no campo pessoal, vai a Roma ao casamento da irmã mais nova com um italiano, que conheceu duas semanas antes. No casamento, em Roma, interessa-se por um dos amigos do noivo e pensa ver o seu interesse correspondido, mas entretanto vê o rapaz atracado a uma fogosa italiana e a sua velha frustração volta. Em revolta, entra na dita Fonte dos Amores (local que eu não reconheço, apesar de já ter ido a Roma...) e resolve roubar moedas dos "tontos" que, na esperança de um amor, as atiraram para lá. E, assim, lança um feitiço, porque os donos dessas moedas vão apaixonar-se por ela e persegui-la! Voilà a história de tão belo filme!
Qualquer um teria percebido que esta sinopse não auguraria nada de bom, mas eu achei que sim e lá fui, sozinha, ver o dito filme. Que se revelou muito fraquinho... Os actores têm prestações sofríveis, a história é completamente previsível, e o suposto humor é do mais desinteressante que já vi. Mas, pronto, se era para passar o tempo, é verdade que ele passou. Foi uma hora e meia de "puro" entretenimento. E mais nada.
O aspecto positivo é que voltei às sessões de cinema sem companhia, o que já não acontecia desde os tempos de Montpellier. Espanta-se, então, esse fantasma. E valha-nos o cartão Medeia para estas "aventuras", porque, de outra forma, seria simplesmente uma perda de tempo.

2 comentários:

Joaquim Lucas disse...

Para a próxima, 'apita', vamos juntos. :)

irRita disse...

:)